Semente de alta qualidade é o primeiro passo para uma lavoura produtiva

Diversidade do solo e do clima exigem um portfólio de sementes versátil capaz de atender as necessidades dos produtores de soja da região Centro-Oeste do Brasil

Para vencer os desafios de um mercado cada vez mais competitivo, as inovações tecnológicas e as parcerias com os principais fornecedores vêm se tornando essenciais. Por isso, a cada safra, produtores rurais de soja em todo Brasil buscam novidades para ampliar a produtividade na lavoura, sem perder, é claro, a qualidade e rentabilidade do grão.

Pensando em atender a demanda de diferentes regiões e propriedades agrícolas nos estados do Mato Grosso do Sul e do Mato Grosso, a Sementes Jotabasso constituiu um portfólio versátil que possibilita oferecer ao produtor a variedade mais adequada para sua necessidade.

Essa constante evolução de materiais é resultado da longa parceria que a empresa construiu com obtentoras de genética respeitadas mundialmente, como a Monsoy, Nidera, Soytech, GDM (detentora das marcas Brasmax e Dom Mário), além de empresas públicas como a Embrapa.

Cultivares adaptadas a cada região

De acordo com o gerente comercial da Jotabasso no MS, Airton Giovani Corrêa, cada região demanda uma cultivar, devido, especialmente, ao solo e as condições meteorológicas, então, é possível direcionar esses materiais de nicho especificamente para cada região. Airton também lembra que esse é um dos pontos fortes das cultivares desenvolvidas com essas parcerias.

“Contamos com cultivares no nosso portfólio que são adaptáveis a diferentes regiões. Por exemplo, temos um material desenvolvido por uma das empresas parceiras que tolera um pouco mais de umidade, não morre em solos mais úmidos, sendo mais tolerante na questão de encharcamento do solo”, explica o gerente.

As parcerias com as empresas de licenciamento fazem toda a diferença na hora de fornecer os melhores materiais aos produtores, e, principalmente, atendendo todo o estado, ultrapassando as limitações de mercado, como destaca o gerente da Jotabasso.

“Aqui no MS a preferência é por cultivares de ciclo curto, plantando a partir da segunda quinzena de setembro, visando já a safrinha. No passado, as cultivares tinham um ciclo mais tardio, e se plantava a partir de novembro. Com essas tecnologias novas, se adiantou o plantio e as cultivares encurtaram o ciclo, por conta disso os produtores preferem as cultivares de ciclo curto. Como temos várias empresas parceiras, conseguimos atender todo o estado com as principais cultivares disponíveis no mercado atualmente”, afirma Airton.

Testes prévios de cada lançamento

Mas, antes de chegar na mão do produtor, as cultivares são testadas por um ou dois anos dentro da fazenda Jotabasso, para ver como é a adaptação prévia dos materiais. Se eles avançarem, a empresa faz uma distribuição de uma parte desses materiais, que vai para os produtores da região, para que eles conheçam o produto.

“Temos uma meta de fazer umas 15 áreas demonstrativas, lançamos uma prévia num dia de campo por exemplo, reunimos as empresas de licenciamento e produtores. Essa demonstração é feita dentro e fora da empresa. Nos meses de janeiro e fevereiro a gente recebe mais de 400 produtores, para conhecer as novas variedades lançadas no mercado. Essa parceria sempre busca oferecer o que tem de melhor para o agricultor, e não é só vender, é também recomendar, posicionar o produto, época do plantio, solo, fazer um acompanhamento junto com o produtor, temos uma equipe de agrônomos que nos auxiliam neste trabalho”, enfatiza Airton.

Novos materiais para 2019

Neste ano, a empresa deve apresentar aos produtores mato-grossenses quatro novas variedades de soja que estão em estado de multiplicação, como adianta o gerente. “São cultivares que foram plantadas este ano, e que estarão disponíveis no mercado em 2019. Esses materiais já estão indo para as lavouras de alguns produtores da região, para que possam conhecer o material e fazer a avaliação das novas cultivares de soja, afinal, quem decide se o produto é bom é o produtor”.

O desafio da Jotabasso é garantir ao produtor que ele receba sementes de alta qualidade e produtividade para sua lavoura. “E esse também é o desafio da pesquisa, desenvolver material superior aos que já estão no mercado, com variedades mais produtivas e resistentes”, acrescenta o gerente.